-----Aspectos Numerolaõgicos no pera­odo de 15 a 21 de Junho
  "Não é preciso muita força para se agarrar, mas é preciso muita força para se libertar.   J.C. Watts       Como sabem, este é um mês regido pelo Número 6 que resulta da redução de 15. Este aspecto foi analisado no artigo sobre o mês de Junho de 2016.   O período de 15 a 21 de Junho tem como Regente Numerológico o Número 3, que resulta da redução de 12.   Assim, o período de 15 a 21 de Junho é na verdade co regido pelo Número 12, cuja proposta nos devolve oportunidades únicas devido aos aspectos, também eles únicos deste período em concreto.   Como sabem, vou sempre avivando a memória dos mais distraídos lembrando que nos encontramos num ano 9 que representa uma transição, nem sempre fácil, é certo, do velho para o novo. Estamos a largar processos antigos, a encerrar assuntos, a resolver questões pendentes, a fazer balanços profundos, ainda que por vezes não tenhamos muita consciência disso. (Geralmente isso acontece uns meses, ou mesmo uns anos mais tarde, quando olhamos para trás, geralmente noutro ano 9 (ou num mês 9) e nos deparamos com as mudanças que entretanto, gradualmente, foram tomando conta da nossa vida.)   Estamos no fundo, a preparar o terreno para o próximo ciclo que ao nível colectivo terá início em 2017. Claro que o impacto de um ano 9 é diferente para cada um de nós e a intensidade da sua força depende em grande parte do ano pessoal que cada um estará a viver neste ano 2016.   Encontramo-nos praticamente a meio do ano, num mês cujo regente Numerológico é 15:6. Trata-se portanto de um 6 onde predomina a energia do 15 acerca da qual já escrevi, mas onde acima de tudo nos é pedido que nos libertemos das prisões que nós mesmos construímos.   Claro, que é preciso identificar essa construção e antes de mais aceitar que somos nós os arquitectos da mesma, o que não é mesmo nada fácil, mas é para isso que os Números vão criando esta grelha onde se vão formando múltiplos aspectos e onde as várias facetas de cada um deles nos vão dando oportunidade de nos conhecermos cada vez mais em profundidade e intensidade.   Camada a camada iremos encontrando o caminho do coração e é ele que nos vai iluminando no meio da escuridão (inconsciência) apontando soluções, abrindo portas que nos levarão a regressar a nós mesmos, resgatando pedaços de nós que se encontravam perdidos, soltos, totalmente desidentificados da nossa essência.   Posto isto, chegaremos ao momento em que nos sentiremos prontos para derrubar essas prisões, dissolvendo-as pelo poder do Amor que habita em nós: amor por nós mesmos! Temos que nos amar, isto é, temos que respeitar a nós mesmos, temos que ser impecáveis connosco (ser isento de pecado é permanecer sem mácula no coração, perdoando as nossas falhas e as dos outros, corrigindo o que possa e deva ser corrigido).   E assim neste período a que agora me refiro, estando sob a pura energia de 12, é tempo de buscar equilíbrio de dentro para fora. É preciso aprender a perdoar do coração para poder largar tudo, desde a crença mais arreigada à crença fraca, por estar mal ou pouco sustentada – a crença que cai rapidamente por falta de argumentos.   É preciso desnudarmo-nos ante nós mesmos, ficando na transparência total. Largaremos tudo menos a nossa essência divina, esse perfume tão subtil que para o sentirmos e saborearmos é preciso criar uma sintonia perfeita com essa parte de nós que está acima do que é mundano. Está acima da crítica e do julgamento, está acima do desespero, da vaidade, da arrogância, do orgulho e da ambição desmedida entre outros aspectos do ego inferior e com o qual a maioria de nós se identifica.   É um trabalho de paciência, de cuidado, de entrega, porque é lento, suave e mal se dá conta dele. Mas é o trabalho que nos libertará da dor, da infelicidade, da tristeza e da melancolia, da frustração, da raiva e da ira.   Mais uma vez a palavra de ordem é a Purificação. É importante que purguemos cada uma dessas emoções que se vão descongelando e mostrando diante nós. Mais vale aceitar logo de uma vez que aquelas sombras são nossas, para não continuarmos a cair no erro de continuar a produzir ilusões. Sim, somos nós que contribuímos para a malha ilusória que nos envolve. Todos os dias tecemos um bocado. Está na hora de começar a desfazer o que tecemos, de modo a criar novos espaços para que o Fogo da Criatividade (Número 3) possa expressar-se e manifestar-se de forma tangível e diversificada.   As novas teias da vida serão muito diferentes daquelas que conhecemos, pois elas vibram em novas frequências. Assim cada um de nós reconheça o seu papel criador e assuma o seu lugar nesta imensa hierarquia.   Este é um tempo de criação de novos valores, tal como já venho dizendo há décadas, esta é uma crise de valores e não uma crise económico-financeira. Esta é uma crise necessária, para que as diferentes sociedades possam reflectir sobre os princípios e os valores pelos quais se regem e para se questionarem sobre se pretendem continuar a seguir o mesmo padrão ou se estão preparadas para criar e manifestar novos paradigmas onde todos colherão benefícios, mas onde o principal beneficiado será o nosso Planeta.   Um padrão novo incluirá a segurança, proteção e bem-estar de todas as espécies e não só a humana, que é apenas mais uma no meio da biodiversidade incrível deste Planeta que é a Terra.   A espécie humana que se destaca pelas suas particulares características tem a obrigação de cuidar das outras espécies e do seu habitat e enquanto isso não suceder continuaremos a ver guerras, epidemias, crises financeiras e acima de tudo catástrofes naturais a devastarem sociedades inteiras.   Mas acima de tudo a escolha é de cada um, não podemos continuar a escudar-nos atrás de velhas frases sem sentido: “Não posso fazer nada: a sociedade é assim.”; “Sou assim e não vou mudar, foi a vida que me fez desacreditar.” Não foi a vida que te fez desacreditar, foste tu que aproveitaste a deixa para justificares a tua incapacidade de lutar, por não seres capaz de sair da tua zona de conforto, onde estás comodamente sentado a criticar, excluindo-te da tua própria obrigação.   É mais fácil essa posição, mas ela está a desabar e tu estás em total desequilíbrio.   É essa o convite que a vida nos faz neste momento: Larga, desaba de uma vez. É preciso cair para entrar em contacto com a terra!   Em contacto com a terra (Terra) podes religar-te à Terra-Mãe e a partir daí as tuas escolhas jamais serão as mesmas. Estás preparado/a?     Um abraço fraternal Em Profunda Comunhão com a Vida ' Hawwah

Castelo Branco - Castelo Branco - Castelo Branco - 6000-236Area - 200 m² Preço: 400 € Descrição - Apartamento T3 bem localizado, em zona central da cidade de Castelo Branco. Este imóvel possuí bastante luz natural, é composto por três quartos, sala, cozinha e WC completo.

Viseu - Viseu - Viseu - 3510-933Area - 0 m² Preço: 189.000 € Descrição - Moradia isolada em fase de construção, localizada em zona tranquila na periferia da cidade.

1.2 – Discurso dos Ensinamentos de Saint Germain

   “EUSOU”   Agora vede amado discípulo, quando dizeis “eu estou enfermo” estais deliberadamente invertendo a perfeição que contém o processo vital....

2017 e a Roda da Fortuna

  2017 e a Roda da Fortuna     O Arcano que rege este ano é A Roda da Fortuna, uma carta que simboliza os eternos ciclos da vida, os eternos recomeço...

Mensagem dos Anjos 24/06/2015

  Bom Diaaaaaaaaaa Somos tantos aqui nesta página, e eu sinto-me tão feliz por saber que nos acompanham diariamente  O vosso apoio é fundamental para...

Partners
Ultimas fotos

Braga - Vila Verde - Coucieiro - Area - 223 m² Preço: 489.000 € Descrição - • Casa com 3 quartos (19, 18 e 18m2) sendo um deles com casa de banho privativa. • O chão dos quartos e o corredor de acesso aos mesmos é em madeira, todo o chão da restante casa é em tijoleira a imitar madeira. • As janelas e portas são em vidro duplo e com portadas exteriores. Entre os vidros e as portadas foram instaladas redes mosquiteiras. • Todas as dependências têm ar condicionado, que permitem o aquecimento/arrefecimento do respectivo compartimento. • A sala de estar (29m2) está equipada com uma salamandra. • A cozinha (26m2) está equipada com placa, forno, máquina de lavar louça, micro ondas, forno de cozinhar legumes/peixe (todos marca MIELE) e frigorífico combinado. • A casa dispõe de 4 casa de banho: uma no quarto principal, outra de apoio aos outros dois quartos, outra de serviço e por último uma na garagem. • A casa tem aspiração central. • O aquecimento das águas sanitárias é efectuado por painel solar ajudado por caldeira a gás instalados fora da casa. • A garagem (53m2) tem capacidade para parqueamento até um máximo de 3 carros. • A casa dispõe de uma área de arrumos (42m2). • A casa é abastecida de água potável por furo existente no relvado, com cerca de 90 metros de profundidade. A água foi analisada 2 vezes por laboratórios que a consideraram potável. A Câmara tem abastecimento de água que não está ligado. • Existe um painel fotovoltaico para produção de energia eléctrica que é vendida à EDP. • Toda a casa é envolvida por uma área ajardinada e relvada. • O prédio rústico (terreno agrícola com cerca de 47.000m2) encontra-se vedado por rede tipo ovelheira e encontra-se organizado em 3 áreas, a saber: pomar, área de produção agrícola e zona florestal. • No terreno existem 2 edifícios: um armazém para guardar alfaias agrícolas e galinheiro, pocilga e local para guarda de lenha. • O terreno tem várias nascentes de água (ermidas, daí o nome de cadastro – Propriedade das Ermidas), algumas com reserva absoluta de águas. • O pomar é basicamente constituído por árvores em início de produção: macieiras, pereiras, figueiras, marmeleiro, pinheiros mansos, goiabeiras, romãzeiras, diospireiro, laranjeiras, pessegueiros, videiras, maracujás, kiwis, castanheiros, nogueiras, amendoeiras, oliveiras e medronheiros. • Na área de produção florestal existem: carvalhos nacional, americano e francês, sobreiros, pinheiro, eucaliptos, salgueiros e cedros. • Em termos panorâmicos a propriedade tem vistas para o rio Douro, salientando-se que se encontra na área da albufeira originada pela barragem do CARRAPATELO, podendo-se vir a poder usar um cais de acostagem para embarcações, existente na zona.

Évora - Estremoz - Estremoz - Area - 0 m² Preço: 290.000 € Descrição - Monte Alentejano T-7 com piscina, jardim e anexos.

Inspiration Site