-----PERDOAR PARA QUaŠ?
  "O PERDaO É O CAMINHO PARA A PAZ INTERIOR   PARA QUE SERVE O PERDaO? O perdão liberta-nos do passado. O perdão permite dissolver as crenças que nos aprisionam. O perdão oferece a possibilidade da paz interior. Quando perdoamos e somos perdoados, as nossas vidas transformam-se. As doces promessas do perdão são mantidas. E começamos uma nova relação connosco e com o mundo.                         O que o Perdão não é: Perdão não é fechar os olhos para a falta de amabilidade. Perdão não significa indiferença ou inércia perante a violação de direitos pessoais ou sociais. Perdão não precisa de ser uma experiência religiosa ou sobrenatural. Perdão não significa reconciliar-se com o autor da afronta. Perdão não significa desistir de ter sentimentos.     O PERDaO É ANTES UMA ATITUDE INTERNA QUE OPERA UMA MUDANÇA DE PERCEPÇaO DO EU, DO OUTRO E DAS CIRCUNSTaNCIAS.   EFEITOS DO PERDaO O perdão permite viver a vida sem mágoas. Livres do passado e sem recear o futuro. Por isso alivia e previne o stress. O perdão cura sintomas físicos e doenças. O perdão ancora a aceitação, permite viver o momento presente e a fluir e a confiar no processo da vida. O perdão liberta-nos do ressentimento e do sentimento de culpa e da raiva. Abre-nos a porta para a expressão assertiva e adequada da nossa raiva. Pessoas que culpam outras pelos seus problemas ou dificuldades apresentam índices mais altos de doenças cardiovasculares e cancro. Mesmo quem já sofreu perdas devastadoras pode e deve aprender a perdoar; tal atitude irá possibilitar-lhes aliviar e curar os sentimentos de perda e acelerar o normal fluir do bem e da prosperidade nas suas vidas.     AUTO-PERDaO O MAIOR DESAFIO: Perdoar a si mesmo é o maior desafio a vivenciar, é o processo de aprender a amar-se e a aceitar-se a si mesmo. Para além disso, só somos capazes de perdoar os outros quando aprendemos a perdoar a nós mesmos. No auto-perdão, costuma haver uma grande resistência, pois ele requer uma mudança de atitude significativa, uma morte. Que morte é essa? É um morrer para os velhos hábitos, morrer para a culpa, a vergonha e a auto-crítica, a auto comiseração, o ressentimento e o “coitadinho de mim”. Quantas vezes condicionamos o auto-perdão a circunstâncias diferentes do momento? O auto -perdão pressupõe uma tremenda honestidade para consigo mesmo na determinação de qual autocrítica, ou qual crença limitativa é preciso abandonar para nos podermos perdoar? O auto-perdão é um grande renascimento. Permite-te. Mas, RESPONSABILIZA-TE…. Constrói o teu caminhar de forma a sempre perdoar e ser perdoado. O perdão é o caminho para a paz interior e para a tua autenticidade. Que a paz interior banhe as margens do teu caminho.     Todos nós erramos, ninguém duvida, embora cada um de nós tenha uma divisão marcante a respeito da classificação dos erros – graves ou não graves. A distinção entre erros ‘perdoáveis e não perdoáveis’ produz uma grande confusão quando pensamos na viabilidade do perdão. O que não nos deveria surpreender é que, de acordo com a cultura, educação e situações diferentes, esta classificação muda de indivíduo para indivíduo e muitas das vezes até sofre modificações num mesmo indivíduo, dependendo do seu estado.   Todas as pessoas fazem o melhor que podem. Muitos podem discordar desta afirmação. Mas, vou propor aos que discordam que pensem no seguinte: todos fazem o melhor que podem de acordo com a percepção do meio em que estão e do nível de compreensão do momento (isso é particularmente importante) – ou seja, todos nós, se soubéssemos ‘como’, faríamos de forma diferente em muitas ocasiões.   Partindo então das considerações acima efectuadas, vemos que o nosso mundo é realmente um mundo de enganos. E cada engano pode ser percebido e entendido de várias maneiras. O que é relevante é percebermos que quando nos sentimos feridos ou prejudicados de alguma forma, não nos lembramos de nada disto: nem das considerações acima efectuadas, nem do facto de que o que estamos a perceber é a nossa forma particular de perceber – outra pessoa poderia não se importar com algo que nos ofendeu ou magoou.   Seguindo esta análise, existe a necessidade de pararmos para olhar para o que estamos a sentir quando não abrimos mão das nossas mágoas e dores...   Não nos abrirmos para o perdão ‘porque quem nos feriu não o merece’ é um ditado do mundo, o qual nos sentimos justificados em aceitar, mesmo quando nos percebemos em intenso sofrimento causado pela nossa insistência em manter as memórias dolorosas.   Após este breve ‘raciocínio’, podemos perguntar-nos agora: como perdoar?   O perdão é uma memória selectiva: “perdoar é meramente lembrar apenas os pensamentos amorosos que deste no passado e aqueles que te foram dados. O resto tem que ser esquecido”. E mais: “O perdão é uma lembrança selectiva que não se baseia na tua própria selecção." (UCEM-T-17.III.1:1-3)   O perdão no mundo é sempre selectivo e a selecção é feita por cada um de nós, tanto das pessoas a serem perdoadas quanto dos factos. Nós precisamos de alguém de ‘fora’ do nosso sistema de pensamentos para fazer a selecção dos pensamentos amorosos por nós. Pensemos nos vários motivos para que isso aconteça.   Todos estão sujeitos aos erros – às vezes em comportamento, às vezes apenas em pensamento. Se todos cometemos erros e estamos a querer acertar, o perdão não pode ser selectivo: todos estão sob a mesma lei. Mas, nós aprendemos a seleccionar. Então, esse aprendizado está automatizado.   Falando sobre o termo memória, ele é bastante pertinente porque o motivo para a grande maioria das nossas dores está apenas na memória. Normalmente sentimo-nos doloridos por uma situação que está no passado, portanto, na memória.   Se estivermos realmente abertos ao exercício do perdão, vamos experimentar, pelo menos, alguns instantes de paz. Isto também é um aprendizado. Conforme vamos ‘coleccionando’ instantes de paz, pontos de memória vão-se juntando e formando um caminho de fácil acesso para as nossas mentes.   Assim, um dia, este processo acontecerá sem nenhum esforço: ainda nos lembraremos da situação ou da pessoa que nos feriu, mas já não teremos mais a carga emocional que tanto nos prejudicava.   Mas, para que continuemos o nosso caminho para a racionalidade do perdão, pensemos o seguinte: quem é que realmente beneficia com o perdão? – Aquele a quem eu perdoo ou eu, que ficarei livre dos pensamentos e sentimentos devastadores e pesarosos?   O perdão é um processo. Precisamos entender, pensar e chegar a um ‘veredicto’ sobre o porquê praticá-lo, para então começarmos a pô-lo em prática.   Trazendo o raciocínio para mais perto da nossa vivência, vamos lembrar: as outras pessoas não podem saber o que nós exactamente sentimos. Quando nós sentimos raiva, esta não ‘pesa’ no outro, não ‘vai’ para o outro. As outras pessoas não podem saber o que sentimos, ou qual a intensidade do que sentimos...   Todos temos o ‘direito’ de sentir raiva, ódio, tristeza, desapontamento – são emoções comuns a todos. O que estamos a pensar agora é que será sábio se sentirmos tudo isto apenas no momento da situação desencadeante, porque não estaremos a esconder as emoções de nós mesmos. Será muito sábio também, se nomearmos e aceitarmos tudo o que sentimos. Mas, atenção, são coisas bem diferentes: olhar para o que sentimos não é o estímulo do ressentir – é disto que estamos a falar. O ressentimento serve para nos prender ao passado, fazer com que nos tornemos uma vítima de alguém, ou de uma situação que, neste momento, não nos prejudica mais – porque esta situação neste momento não existe.   Este raciocínio aplica-se à culpa. Tudo o que falamos e pensamos a respeito do perdão em relação a alguém é absoluta e intrinsecamente válido e aplicável para o auto-perdão."       in, Um Curso Em Milagres

Coimbra - Coimbra - Santo António dos Olivais - Area - 0 m² Preço: 185 € Descrição - Arrendam-se 3 quartos junto á FEUC, Coimbra em apartamento T5.Cozinha equipada, sala, quartos com cama individual e 2 wc de serviço.Excelente localização para estudantes da Faculdade da Economia. O valor não inclui despesas.Contacte-nos e conheça o caminho para a sua nova casa...

Coimbra - Figueira da Foz - Tavarede - Area - 140 m² Preço: 89.900 € Descrição - Vende-se Apartamento T3 constituido por:Hall de entrada,cozinha equipada, despensa e marquise fechada.Wc de serviço com banheira e janela com luz natural.Sala ampla com varanda.3 quartos, sendo que dois têm roupeiro embutido.Suite com wc com poliban. Garagem e arrumo no predio.Próximo ao Pingo Doce e a poucos minutos a pé da praia.Contate-nos e descubra o caminho para a sua nova casa...

ASCENSaƒO

     Porque existem muitas dúvidas acerca deste tema partilho convosco a melhor explicação que encontrei até hoje.   “A ascensão é, basicamente, apen...

O Naúmero do Propaõsito de Vida

  1 - Vem abrir caminhos. Explorar novas possibilidades. Atingir metas aparentemente possíveis. Trilhar caminhos desconhecidos. Assumir posições de l...

Diferenasas entre Tarot e Ora¡culos

Atualmente existem inúmeras variações dos baralhos de Tarot, desde os desenhos, figuras, símbolos, cores, temas (como por exemplo, Tarot dos Anjos, Ta...

Partners
Ultimas fotos

Santarém - Tomar - Asseiceira - Area - 371 m² Preço: 230.000 € Descrição - Excelente moradia tipologia T5.O imóvel com uma área total de 371 m2, distribuídos por três pisos, cave, rés do chão e sótão.A cave é composta por cozinha com lareira tradicional, casa de máquinas, lavandaria e uma casa de banho, o rés do chão composto por hall, cozinha, um salão com lareira, três quartos, um deles suite com closet, e três casas de banho, sendo uma delas de serviço , e, o sótão composto por dois quartos e uma casa de banho.A garagem tem capacidade para duas viaturas e o jardim é murado.Venha marcar a sua visita.

Coimbra - Coimbra - São Martinho do Bispo - Area - 142 m² Preço: 175.000 € Descrição - CR(3)1526N - T3 em início de construção, em São Martinho do Bispo, com excelentes áreas, garagem para um ou dois carros, varandas em todas as divisões, ar-condicionado, painéis solares, cozinha equipada. Excelente negócio! C.E.: [em curso].

Inspiration Site